Novozymes inaugura laboratórios de pesquisa e desenvolvimento em Araucária

 

 

A Novozymes, líder mundial em bioinovação, inaugurou em novembro um novo centro de Pesquisa & Desenvolvimento voltado, inicialmente, para o progresso de novas enzimas para o setor de bioenergia, em franca expansão. Um dos maiores líderes mundiais na produção de biocombustíveis, o Brasil pretende dobrar sua produção de etanol até 2020 a partir de resíduos agrícolas, como o bagaço da cana-de-açúcar, por exemplo.

O novo centro deve consolidar pesquisas, além da área de biocombustíveis, em vários outros setores também, com aplicações na panificação, agricultura e limpeza doméstica. O foco inicial será em bioenergia.

“As novas instalações e a maior capacidade de realizar pesquisas devem promover o crescimento de biocombustíveis avançados no Brasil, um setor que cria empregos, fomenta o desenvolvimento de novas tecnologias, abre novas oportunidades de exportação para o Brasil e a América Latina e estabelece soluções sustentáveis essenciais para o mundo,” disse Pedro Luiz Fernandes, presidente Regional da Novozymes para a América Latina.

Brasil: líder global em inovação de biocombustíveis
O Brasil figura entre os principais produtores mundiais de cana-de-açúcar, biocombustíveis e veículos bicombustíveis (flex), áreas com perspectivas de crescimento global nos próximos anos. Cerca de 90% dos veículos fabricados no Brasil são equipados com motores bicombustíveis altamente eficientes, que operam com gasolina e etanol combustível.

O país espera dobrar a produção de etanol até 2020 para atender à crescente demanda doméstica e aos mercados internacionais. Estudos da Novozymes indicam que o uso do bagaço e da palha da cana-de-açúcar pode duplicar o volume de etanol produzido dentro da mesma área plantada.

A Novozymes já está colaborando com algumas das principais empresas da área na América Latina, como Dedini, Cetrel, CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) e Petrobras, a fim de realizar pesquisas e comercializar biocombustíveis avançados no Brasil.

Em Araucária
O novo centro de pesquisa, de Araucária, representa uma grande expansão da Novozymes no Brasil, aumentando seu quadro de funcionários em aproximadamente 10% e agregando novas competências à equipe atual, que atua nos departamentos de produção, administração, vendas, atendimento ao cliente e sustentabilidade.

Empresa
A Novozymes conta com oito centros de P&D localizados globalmente (dois nos Estados Unidos e outros na Inglaterra, Dinamarca, Índia, China, Japão e Brasil). Cada um desses centros representa um conjunto específico de habilidades e competências, interligados por sistemas globais de gestão do conhecimento e de projetos. Anualmente, a Novozymes realiza investimentos significativos em P&D – em média, 14% das receitas globais de vendas, algo entorno de U$ 238 milhões. Assim, o novo centro de pesquisa brasileiro integrará uma rede corporativa global e sólida.

(Foto: Carlos Poly)