Secretaria Municipal de Assistência Social

II Seminário da Rede de Proteção abordou sobre prevenção a violências

Nesta quarta-feira (05), Araucária teve seu II Seminário da Rede de Proteção com o tema "Proteção é Prevenção". O objetivo do evento foi fomentar discussões sobre violência e repensar estratégias de prevenção e combate a ela. Araucária possui desde 2009 uma Rede de Proteção Social que debate e dá encaminhamentos visando a proteção de crianças e adolescentes, além de mulheres, pessoas com deficiência e idosos. As Secretarias Municipais de Saúde, Educação, Assistência Social, Segurança Pública, o Conselho Tutelar e o Ministério Público são alguns dos órgãos que integram a Rede. Denúncias de violência (dos mais diversos tipos) podem ser feitas a qualquer um dos órgãos envolvidos.

No Auditório da Unifacear, os participantes do II Seminário começaram o dia com uma palestra sobre “Proteção de Crianças e Adolescentes – Função dos profissionais que atuam na Rede de Atendimento, perspectiva e desafios da atualidade”. Nela, profissionais do Programa DEDICA,  Elaine Kuzuo (médica pediatra) e Adriana L. Schreiner (psicóloga) trataram sobre os diferentes tipos de violência que ocorrem com crianças e adolescentes (física, psicológica, sexual, negligências). Exemplos reais citados serviram para lembrar que essas violências podem ocorrer bem mais próximo do que as pessoas imaginam e da importância de todos estarem atentos e denunciarem situações suspeitas. 

Já o período da tarde teve como destaque a Roda de Conversa sobre roda de conversa sobre o enfrentamento da violência contra a pessoa com deficiência (Lilian Machado - diretora do Departamento de Educação Especial - SMED), a população em situação de rua (Aline Cristina Araújo Vargas - coordenadora do Núcleo Pop Rua - CRP), a população idosa (Maria da Silva Souza – Secretária Municipal de Assistência Social de Colombo), o público LGBT+ (Sabrina Mab Taborda - secretária-geral da APPAD – Associação Paranaense da Parada da Diversidade), a mulher vítima da violência (Helena Medeiros - psicóloga clínica de atenção especial para saúde mental da mulher).

Apresentações artísticas também fizeram parte da programação. Entre elas, a dos participantes da Oficina de DJ/MC do Adolescentro Costeira. Os jovens apresentaram um vídeo sobre as atividades que desenvolvem no Adolescentro e cantaram um rap (composição própria). 

Proteção - O artigo 18 do Estatuto da Criança e do Adolescente lembra que “é dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor”. Qualquer pessoa pode entrar em contato com uma das estruturas que fazem parte da Rede de Proteção e solicitar orientação e apoio para si ou para outra pessoa. Vale lembrar que essas estruturas públicas estão perto dos moradores: o posto de Saúde do bairro, a escola, o CRAS que atende a região, o Conselho Tutelar são opções de local onde é possível buscar apoio e orientação quando sentir necessário.

Data da Publicacão: 06/12/2018